A Prefeitura de Natal marcou para a próxima quinta-feira, dia 16, uma reunião extraordinária do Conselho Municipal de Transporte para debater o aumento da passagem de ônibus na cidade. Na ocasião, será apresentado o estudo que os técnicos da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) realizaram sobre as documentações enviadas pelo Seturn, que embasam o pedido de aumento da tarifa.

A data da reunião foi confirmada por Nilson Queiroga, consultor Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos (Seturn). Segundo ele, a sugestão de debate acerca do tema, que é de interesse de toda a sociedade natalense, foi sugerida na última reunião do Conselho de Transporte, no dia 18 de fevereiro.

Nesta semana, Queiroga esteve na Câmara Municipal da capital para apresentar aos vereadores as mesmas alegações que embasam o pedido de acréscimo na passagem. Na ocasião, o secretário adjunto da STTU, Walter Pedro, compareceu ao encontro em substituição à titular da pasta, Elequicina Santos.

Ainda de acordo com Nilson Queiroga, o adjunto reafirmou o compromisso da reunião no dia 16, que ainda não tem lugar confirmado, e disse ainda que levará ao debate o estudo realizado pelos técnicos da Secretaria sobre as documentações que sustentam a proposta de aumento apresentada pelo Seturn.

Walter Pedro disse na CMN que ainda iria oficiar os conselheiros. Queiroga afirma que somente após o envio do ofício terá a certeza de local e hora da reunião. A do dia 18 de fevereiro aconteceu na Pinacoteca do Estado.

Naquele dia, Queiroga diz que expôs a “urgência” de haver um acréscimo no preço do transporte de ônibus. A tarifa hoje custa R$ 2,90. Apesar da exposição, de acordo com o consultor, o debate não foi levado adiante.

O Seturn já divulgou duas notas pedindo a compreensão da população para o pedido de reajuste tarifário e alegou que, caso não haja esse reajuste, o serviço será prejudicado, com risco até de ficar reduzido.

Os comunicados foram divulgados após as empresas anunciarem que protocolaram o pedido de reajuste junto à STTU no final do mês de janeiro. Elas reivindicam que a tarifa suba 17%, passando de R$ 2,90 para R$ 3,40.

Segundo alegam os empresários, houve uma queda de 10% no uso de transporte público da parte de usuários no último ano. Além disso, argumentam que houve aumento dos salários dos profissionais de transporte e do óleo diesel, sem que haja qualquer subsídio para as empresas.

O último reajuste tarifário foi concedido em 31 de janeiro de 2016, quando os ônibus passaram a circular cobrando R$ 2,90; antes a passagem custava R$ 2,65. Neste mês de março, os rodoviários devem cobrar o reajuste dos seus salários, fato que deve acelerar o processo para que a nova tarifa seja divulgada até lá.

 

Novo Joranla