Gumaré esta entre os muncípio com alto índece de epidemia da dengue

O alerta contra a dengue é acionado para este ano. A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sesap) identificou 43 municípios do Rio Grande do Norte com risco muito alto para a ocorrência de uma epidemia da doença, ou seja, um aumento exponencial de casos num curto espaço de tempo. Entre as cidades diagnosticadas estão Natal, Parnamirim e Macaíba, da região metropolitana. Na capital potiguar, a Secretaria Municipal de Saúde já se mobiliza para construir um Plano de Contingência para a epidemia.

mapa

A informação é fundamentada no Mapa de Vulnerabilidade elaborado pela Secretaria, que segue os critérios de incidência da doença nos últimos 10 anos, o índice de infestação predial (quantidade de imóveis com focos positivos de dengue), índice de imóveis não visitados e densidade demográfica do município.  “O mapa é um sinal de alerta, uma estimativa de como o vírus pode se comportar”, explica Stella Leal, subcoordenadora de vigilância epidemiológica da Sesap. Com base no documento, pode-se definir as estratégias de combate a doença, fortalecendo as ações nas áreas de “muito alto” e “alto” risco.

Prevendo a incidência da epidemia na cidade, o setor de saúde de Natal se reunirá nos dias 6 e 7, quinta e sexta-feira, respectivamente, para a formação do Plano de Contingência, informa Alexandre Tavares, coordenador do Centro de Controle de Zoonoses de Natal.  “Estaremos construindo o plano para então traçar as ações. Os níveis de resposta serão de acordo com os níveis da epidemia”, relata Tavares.

Dentre as ações prováveis, seguindo os parâmetros de gravidade, está a visita dos agentes de saúde que atuam no combate do mosquito ainda em larva e o bloqueio de casos com o borrifar de produtos químicos para eliminação do inseto já adulto.

“A batida de foco não adianta sem a mobilização social. A população tem a informação mas não muda de comportamento”, diz Tavares quanto a necessidade do cuidado no acúmulo de água limpa e parada.

Para o RN, estão previstas ações de monitoramento da doença, com relatos semanais da ocorrência de pacientes com suspeita e confirmação da dengue, acompanhamento dos casos da presença do mosquito nos imóveis, capacitação do serviço de saúde, supervisão técnica e distribuição de larvicida para todos os municípios.

O carro fumacê é pedido pelo município à Sesap quando  o estado de epidemia está instalado para que circule nas áreas identificadas com focos do mosquito. No caso, o sistema UBV (Ultra Baixo Volume) mata mosquito transmissor, Aedes Aegypti, já adulto e “se for usado indiscriminadamente pode habituá-lo provocando uma resistência”, não causando o efeito esperado de eliminação.

 

Deixe uma resposta

Você pode usar essas tags e atributos HTML <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*