Com muita alegria para os times Potiguares a Arena das Dunas arrecada quase R$ 500 mil na abertura

Apesar de aparecerem como favoritos em qualquer bolsa de aposta, os atacantes cochilaram e  mais um defensor teve a honra de marcar o gol inaugural do principal palco futebolístico do RN. Adalberto, zagueiro do América, abriu o caminho da vitória do seu clube na Copa Nordeste e, de quebra, escreveu seu nome na história do esporte potiguar, assim como fez o volante William, do ABC, no dia 4 de junho de 1972, quando da inauguração do então estádio Castelão.

gol

O primeiro gol da Arena das Dunas saiu apenas aos 26 minutos da segunda etapa, quando o América já tinha sofrido alguns sustos. O primeiro deles ocorreu logo aos 2 minutos de partida, quando o atacante Philco desperdiçou uma daquelas oportunidades consideradas incríveis. Após o cruzamento do lateral Glauber pela direita, o jogador surgiu livre de marcação na pequena área alvirrubra e chutou para fora. Depois foi a vez do próprio Glauber assustar a parte vermelha e branca da arquibancada da Arena, ao cobrar falta bem colocada da intermediária, fora do alcance do goleiro Andrey, que viu a bola passar rente ao seu poste direito.

O outro zagueiro americano, Cleber, por pouco não se transformou no herói do jogo, após desviar um excelente cruzamento de Fabinho e ver a bola passar rente a trave também. Prova que o destino estava conspirando mesmo a favor de Adalberto. O jogador que havia marcado seu primeiro gol pelo clube potiguar diante do Sergipe, voltou a se arriscar no ataque e se deu muito bem.

O lance começou com um escanteio cobrado para o lateral-esquerda Raí, que tocou a bola para Rubinho, este disputou a posse da mesma com o marcador adversário, levou vantagem e na entrada da área cruzou para cabeçada certeira de Adalberto. O jogador que viu a bola vencer o goleiro Beto e atingir a rede, não se conteve e comemorou com uma cambalhota.

“Estou muito feliz, sei que esse gol será recordado por vários anos, mas a ficha ainda não caiu direito. Talvez só algumas horas depois é que eu saiba melhor o que isso poderá significar. Estou feliz não só pelo gol, mas também pelo fato de ter ajudado o América a conquistar mais uma vitória dentro da Copa do Nordeste”, salienta.

A importância do feito, o jogador também fez questão de dividir com os seus companheiros de equipe. “Tenho de dividir esse mérito com todos meus companheiros de equipe. Principalmente aqueles que participaram diretamente do lance que originou o gol. Lembro que a jogada resultou de uma cobrança de escanteio pelo lado direito do nosso ataque. O Rai tocou para Rubinho que centrou a bola, meu trabalho foi apenas subir e desviar do goleiro. Então esse mérito, como disse, é de todos nós”, frisou.

Brincadeiras
Adalberto disse ainda que nas brincadeiras com os companheiros para adivinhar quem iria fazer o primeiro gol do novo estádio, os atacantes e os demais jogadores ofensivos do clube sempre apareceram como barbadas, mas ressaltou que o fato de ter sido ele a fazer esse gol, não significa que deu uma “zebra”. “A gente trabalha para que isso possa ocorrer. Nós zagueiros treinamos muito essas jogadas de bola parada no nosso campo ofensivo e temos liberdade para ajudar os atacantes. Não vou esconder que assim como os homens de frente, nós, jogadores de defesa, também tínhamos esse sonho de marcar o gol inaugural da Arena das Dunas. Quis Deus que eu fosse o escolhido”, frisou.

O atacante Adriano Pardal, autor do segundo gol da vitória por 2 a 0 do América sobre o Confiança no domingo, disse que jamais imaginou que um defensor pudesse marcar o gol inaugural da arena. “Realmente não esperava que isso fosse ocorrer, ainda mais que o nosso setor ofensivo vem rendendo bem. Mas foi o Adalberto e ele fez por merecer essa honra”, destacou Pardal.

O treinador Leandro Sena gostou da festa, mas comemorou muito mais o resultado, que deixa o América a praticamente um ponto de passar para segunda fase da Copa Nordeste. O comandante alvirrubro acredita que o clima até chegou a interferir no rendimento de sua equipe. “O América foi um time muito ansioso no primeiro tempo, não conseguimos ter uma boa atuação, acredito que esse clima de festa interferiu negativamente. Mas no segundo tempo, os jogadores entenderam o que a gente queria e o América mostrou o futebol veloz e com um sistema bastante sólido. Tanto que ainda não sofremos gol dentro da competição”, destacou Sena.

TN

Deixe uma resposta

Você pode usar essas tags e atributos HTML <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*